Páginas

domingo, 25 de setembro de 2016

Com aplicativos para celular eleitor para denunciar compra de voto e acompanhar resultados da eleição.



De olho na conectividade cada vez maior dos brasileiros, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desenvolveu aplicativos para smartphones e tablets para que os eleitores participem mais ativamente do processo eleitoral deste ano. Com os apps, é possível acompanhar o resultado das eleições municipais, fazer denúncias de irregularidades e até participar da verificação do número de votos registrados nas urnas eletrônicas. 

Uma das principais apostas do TSE para este ano é o aplicativo Pardal, que permite que os eleitores façam denúncias de propaganda eleitoral irregular, tanto nas ruas como na internet e em veículos de comunicação. A denúncia é feita pelo próprio aplicativo, com o envio de fotos, vídeos ou áudios. Por exemplo, se um eleitor encontrar um outdoor de um candidato na rua, que é proibido, pode tirar uma foto e mandar pelo aplicativo, que automaticamente envia a denúncia para análise do Ministério Público Eleitoral. Também é possível denunciar outras irregularidades como compra de votos, uso da máquina administrativa ou gastos irregulares.

Veja aqui quais são as condutas proibidas aos candidatos.

Outra novidade deste ano é o aplicativo Boletim na Mão, que permite que, ao final da votação, os eleitores conheçam os votos depositados em uma urna eletrônica específica. Quando a eleição é encerrada, a urna apura os votos automaticamente e imprime o resultado em papel, que é distribuído para os fiscais e afixado na porta da seção eleitoral. O boletim tem um QR code, que é uma espécie de código de barras que pode ser escaneado pela maioria dos aparelhos celulares com câmera fotográfica. Com esse código, por meio do aplicativo, o cidadão poderá ter as informações dos votos daquela urna para depois comparar com o que é divulgado oficialmente.

Com o aplicativo Candidaturas, o eleitor pode analisar os dados de cada candidato, como nome, foto, planos de governo e dados de prestação de contas. O eleitor também pode “favoritar” seu candidato, para acompanhar seu desempenho posteriormente. “Essa é uma característica do eleitor brasileiro, de esquecer do candidato em quem votou, principalmente considerando nos cargos proporcionais”, diz o secretário do TSE.
.
Veja alguns aplicativos disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral para as eleições deste ano:

Pardal
– Permite a notificação de irregularidades nas campanhas. Ao identificar um problema, o cidadão tira uma foto e, por meio do aplicativo, envia as evidências para a Justiça Eleitoral no estado ou município, que fará a análise da denúncia.

Candidaturas - Permite que o eleitor acompanhe o seu candidato e acesse informações como nome, número, situação do registro de candidatura, cargo, partido, coligação e o link para o site do candidato. O dispositivo também exibe os dados da prestação de contas dos políticos.

Boletim na Mão – Permite que o eleitor confira as informações contidas nos Boletins de Urna, que são impressos após o encerramento da votação e afixados nas seções eleitorais. Estará disponível nos próximos dias

Resultados – Vai permitir acompanhar, em tempo real, os dados do resultado da eleição em todo o Brasil. Também permite selecionar os candidatos favoritos e selecioná-los para acompanhar a apuração. Estará disponível nos próximos dias

2 comentários:

  1. Muito eficiente este aplicativo, mas em relação à compra de votos, infelizmente fica um pouco difícil, pois os políticos são estrategista, para isso tem os intermediário, risos. Eu mesma fui tentada a vender meu voto para uma vereadora aqui de bom Conselho, mas não foi ela que veio pessoalmente falar comigo, e sim outra pessoa. Acho que deveria era se fazer campanhas de conscientização, destacando a importância do voto, e as consequências de se vender ovoto.

    ResponderExcluir
  2. Muito eficiente este aplicativo, mas em relação à compra de votos, infelizmente fica um pouco difícil, pois os políticos são estrategista, para isso tem os intermediário, risos. Eu mesma fui tentada a vender meu voto para uma vereadora aqui de bom Conselho, mas não foi ela que veio pessoalmente falar comigo, e sim outra pessoa. Acho que deveria era se fazer campanhas de conscientização, destacando a importância do voto, e as consequências de se vender ovoto.

    ResponderExcluir