Páginas

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Repórter grava vídeo de objeto incandescente que cruzou o céu entre Alagoas e Pernambuco.

Equipe da TV Pajuçara fez registro do objeto
 que cortou o céu (Crédito: Reprodução vídeo)
Um barulho estrondoso seguido de um clarão foi relatado por várias pessoas em diferentes partes dos estados de Alagoas e Pernambuco no fim da tarde da terça-feira (3). Em poucas horas, vários testemunhos se multiplicaram nas redes sociais, com relatos nos municípios alagoanos de Chã Preta, Craíbas, Quebrangulo, Igaci, Arapiraca e na capital, Maceió. Nos municípios de Pernambuco, houve relatos nas cidades de Garanhuns, Palmeirina, Lagoa do Ouro, Saloá, Iati, Brejão, Terezinha, Bom Conselho, entre outras.

Sem muitas imagens, o episódio depende muito mais da história oral, contada pelas testemunhas, mas a equipe da TV Pajuçara conseguiu um registro rápido, captado durante a gravação do treino do CRB, na Via Expressa, em Maceió. 
Nas imagens gravadas pelo cinegrafista José Pereira, do Jornal da Pajuçara Noite, é possível ver uma espécie de "risco no céu, passando em alta velocidade.

Pereira conta que diante da velocidade com que o objetivo rasgou o céu, não foi possível captar a melhor imagem. "Era algo como fogo, amarelo, parecia uma estrela cadente, só que muito mais forte. Mas foi tão rápido que quando posicionei a câmera já havia passado e consegui registrar apenas o rastro deixado no céu". 

Confira o vídeo no link abaixo (edição: Rafael Alves).


Após publicarmos a reportagem, várias pessoas compartilharam no Facebook relatando que teria visto o objeto.


O site alagoano: tnh1.ne10.uol.com.br

Versão oficial

O site alagoano: tnh1.ne10.uol.com.br
ouviu a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), a Infraero e o Observatório Astronômico do CEPA. 

De acordo com o metereologista da Semarh, Vinícius Pinho, é provável que o objeto avistado tanto na capital quanto no interior seja um meteorito, que ao entrar em contato com o planeta, ganhou velocidade e explodiu, se dividindo em vários pedaços. "O barulho ouvido foi por conta da explosão sônica, causada pela atração exercida por nossa atmosfera", explicou.

Ainda de acordo com Vinícius, os meteoritos costumam entrar em combustão e por isso o clarão pôde ser visto mesmo durante o dia. "Ele provavelmente se desintegrou no trajeto até nossa crosta", acrescentou. 

Meteorito:
O coordenador do Observatório Astronômico Genival de Lima, Adriano Aubert, que fica no Centro Educacional de Pesquisas Aplicadas de Maceió, o CEPA, apresentou duas hipóteses para o fenômeno.

A primeira é de que um meteorito entrou na atmosfera da terra em uma velocidade entre 30 mil e 40 mil quilômetros por hora, que é de 15 a 20 vezes mais rápido que o som. A outra seria lixo espacial, resto de satélites, foguetes e de estações espaciais. Segundo ele, o fenômeno é bem rápido e difícil de ser registrado. Sobre o estrondo que pode ter sido ouvido na região Agreste, o coordenador diz que isso só acontece quando corpos celestes atingem a parte mais baixa da atmosfera, com altitudes entre 16 km e 20 km.
“Quando esses corpos entram em contato com a atmosfera eles entram em atrito com o ar, o que diminui a velocidade e gera calor, e em alguns poucos casos, apenas quando não se desintegram nessa queda, podem fazer ruídos”, concluiu Aubert.

Infraero
No interior, o estrondo produzido pelo objeto que atravessou os céus assustou a muitos que chegaram a relatar que se tratava da queda de uma aeronave, o que foi desmentido pela Infraero. "Se alguma ocorrência envolvendo aeronaves no espaço aéreo alagoano tivesse ocorrido, seríamos os primeiros a saber", garantiu o sargento Oliveira, do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Alagoas (DTCEA).


Um comentário:

  1. Não conheço muito de astrologia, mas o pouco que sei ë que geralmente vemos o clarão e depois o barulho, não na ordem inversa como estão falando por aí.

    ResponderExcluir