Páginas

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Coluna Ufologia: A Noite Oficial dos OVNIS.

A Noite Oficial dos OVNIS


“Pô rapaz, tô arrepiado, meu irmão”. É com essa exclamação de um dos pilotos que presenciaram o fenômeno OVNI, que eu inicio mais um resumo de um importante caso ufológico, dessa vez no espaço aéreo brasileiro.


19 de Maio de 1986, já era noite, quando aproximadamente 21 objetos voadores não identificados foram detectados por radares do CINDACTA I (Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo) sobrevoando os céus dos estados de Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná; tal evento durou aproximadamente 03 horas e ficou conhecido como A Noite Oficial dos OVNIS. A situação estava tão séria que o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA) considerou a segurança de voo ameaçada e jatos do tipo caças foram acionados pela Força Aérea Brasileira para averiguar e se necessário combater tais ameaças. Os jatos perseguiram e foram perseguidos pelos OVNIS. O controlador de voo que estava na torre de controle de São José dos Campos, Sargento Sérgio Mota da Silva, entra em contato com os controladores de voo de Brasília para comunicar sobre o que estava acontecendo: “Fala Brasília? Brasília? Boa Noite, bem-vindo ao festival dos discos voadores”; exclamou o sargento.


Já em voo, o piloto de um dos caças estava preparado para disparar um míssil contra um dos objetos, esperava-se apenas ser autorizado pela defesa aérea, quando de repente o objeto que avistara acelera, disparando a uma velocidade de aproximadamente 15.000Km/h (Quinze mil quilômetros por hora), isso é muito maior que a velocidade do mais veloz jato fabricado pelo homem que chega se mover a no máximo 4.000Km/h (Quatro mil quilômetros por hora). Um documento confidencial do Comando de Defesa Aérea de Junho de 1986 concluiu: "Como conclusão dos fatos constantes observados, em quase todas as apresentações, este Comando é de parecer que os fenômenos são sólidos e refletem de certa forma inteligência, pela capacidade de acompanhar e manter distância dos observadores, como também voar em formação, não forçosamente tripulados. Não foi possível identificar a origem dos objetos."

Pois bem, o que aconteceu naquela noite? De forma lógica podemos concluir que não se tratava de estrelas, pois não são detectadas por radares e os pontos luminosos apresentavam mudança de cores, posição e assemelhavam-se a faróis, com o agravante de que qualquer piloto tem experiência suficiente pra saber identificar este e qualquer outro corpo celeste; tampouco era alguma aeronave humana, pois nada que conhecemos se move a uma velocidade de 15mil quilômetros por hora. De fato, algo muito estranho e provavelmente de origem extraterrestre aconteceu naquela noite de 1986 e por mais que altas autoridades militares tenham admitido publicamente, pela primeira vez, terem visto os OVNIS, os que realmente sabem explicar o que aconteceu e a origem daqueles objetos, negam-se a nos revelar toda a verdade.

As gravações originais dos diálogos entre torre de controle e pilotos estão disponíveis de forma gratuita no Arquivo Nacional em Brasília. Disponibilizo abaixo, aproximadamente 5 horas de conversa entre os citados.


Próximo caso ufológico: Crop Circles (Agroglifos). 

Por:
Diego Tannac





Nenhum comentário:

Postar um comentário