Páginas

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Voto dos eleitores indecisos decidirá caminho das eleições.



A exatos 30 dias de os brasileiros irem às urnas, uma  parcela do eleitorado, considerada menos ligada a ideologias partidárias e até distante do debate político, ganha peso e tem nas mãos a chance de definir as eleições. Numa disputa nacional travada ponto a ponto, o voto dos indecisos, também chamados de “eleitores-sabonete”, é que vai determinar se a briga pelo poder se encerrará no primeiro turno ou será prorrogada para o segundo turno, na avaliação de cientistas políticos. E não vai ser fácil convencer essa turma, descrente na política e sem confiança no discurso dos candidatos.

Aqueles que não sabem em quem votarão para presidente somam hoje de 5% a 7% do eleitorado, de acordo, respectivamente, com as pesquisas Ibope e Datafolha, ambas divulgadas anteontem. Se considerados os 7% que votarão em branco ou anularão o voto, segundo os dois levantamentos, o eleitorado sem candidato flutua entre 12% e 14% do total. Os números se assemelham aos das pesquisas feitas no mesmo período das eleições passadas, mas com uma diferença expressiva.

Diferentemente de 2010, a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, não conta com distância considerável dos demais postulantes. “Quanto mais próximos os candidatos estão em termos percentuais, mais importante é a luta pelos indecisos. Pelo que está acontecendo, a eleição será definida por uma margem pequena de votos”, afirma o professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Manoel Leonardo Santos.


Para o professor, dependendo de para onde for esse grupo, as eleições podem ser decididas no primeiro turno. A análise da cientista política da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) Maria do Socorro Braga segue a mesma direção. Segundo ela, “para atrair a atenção desse público, é preciso apostar em fatores de curto impacto. Seria, por exemplo, uma mudança mais drástica em um ponto do programa, como o anúncio de medidas para política econômica”, reforça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário